Quem sou eu

Minha foto
Poeta - escritor - cronista - produtor cultural. Professor de Português e Literaturas. Especialista em Estudos Literários pela FEUC. Especialista em Literaturas Portuguesa e Africanas pela Faculdade de Letras da UFRJ. Mestre em Literatura Portuguesa pela UFRJ. Nascido em Goiás, na cidade de Rio Verde. Casado. Pai de três filhos.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Poema: O Cortador de cana - José Caetano Erbas

O CORTADOR DE CANA
JOSÉ CAETANO ERBAS

De supetão eu cheguei à minha terra, encontrei meu pai na guerra sem fuzil e sem canhão. Meu “velho” tava num começo de semana, lá naquele mar de cana no manejo do facão. Ele me disse: “vai falando que eu te escuto, quando eu to nesse chão bruto é pesada a obrigação. Só paro um pouco é no almoço e no café, mesmo assim, como de pé, sob a mira do patrão. Acuado igual um tatu na toca, meu trabalho eu dou em troca de comida e moradia. Mas agradeço a Deus por sua bondade, por saber que nessa idade, ainda tenho serventia. Você bem sabe, eu já fiz oitenta e seis. No dia quatro desse mês, foi aniversário meu. Tudo é bobagem, você sabe que eu não ligo, mesmo assim pensei comigo, ‘meu filho se esqueceu’. Naquela noite do meu aniversário, nas contas do meu rosário, eu lembrei tanto de você. Aliás, eu lembro todo dia, toda hora, peço a Deus e Nossa Senhora pra sempre lhe proteger. E eu, carregando aquela cana como escravo, disse: ‘meu patrão tá bravo’, falta cana pra moer. Lá no engenho, ainda vou maiar feijão na raia, eu vou indo, não arrepara, qualquer dia, nóis se vê”.
E nas valetas encharcadas do mormaço, caminhando passo a passo, na baixada se afundou e lá na frente da colônia da fazenda, já pertinho da moenda, seu chapéu me abanou. Quantas vezes eu quis trazer meu pai comigo. Ele é antigo e de lá não quer sair. Mas um caipira, como é meu velho pai, daquele sertão não sai, não adianta eu pedir.
Depois lá longe, no retrovisor da mente, eu vi meu pai, novamente, dando duro lá no eito. Mas desta vez, ele estava, na verdade, doente da saudade no roçado do meu peito.

Um comentário:

  1. Hoje tive minha primeira aula com Erivelto Reis,me emocionei bastante com poemas dito.
    Resolvi passar a frente o que ouvir e resolvi compartilhar com minha família e amigos em rede social ou não.

    ResponderExcluir