Quem sou eu

Minha foto
Poeta - escritor - cronista - produtor cultural. Professor de Português e Literaturas. Especialista em Estudos Literários pela FEUC. Especialista em Literaturas Portuguesa e Africanas pela Faculdade de Letras da UFRJ. Mestre em Literatura Portuguesa pela UFRJ. Nascido em Goiás, na cidade de Rio Verde. Casado. Pai de três filhos.

sábado, 7 de julho de 2012

Carta para Ana Luiza - Erivelto Reis

CARTA PARA ANA LUIZA




Você é sábia, menina Ana Luiza, porque você viu a poesia que cerca os seres e as coisas. Recebi seu poema e seu autógrafo e acho que foi um presente. Um belo presente. Você ofereceu, de repente, um gole d’água no deserto das emoções que permeiam as relações sociais, tantas vezes tão desgastadas. Você ofereceu um tesouro valioso. Não cobrou quase nada. Só a leitura de um poema.

O mundo é a folha em branco das grandes poesias, das grandes histórias que você vai escrever, das grandes vitórias que você vai ter. Persista, pergunte tudo, Ana Luiza. As respostas vão aparecer. Algumas delas, você vai perceber de primeira. E, algumas outras, você terá que esperar pra entender.

Dê a mão aos que a amam: sua mãe, seu pai, seu irmão, sua família, seus amigos... e, se lembrar, aos seus fãs, como eu, acene. Sorria. Menina Ana Luiza, o seu sorriso é como a luz que acorda e ilumina o dia. Você tem muito a realizar Ana Luiza, pois você tem Inteligência, Carisma, Talento, Amor e Deus em seu imenso coração pequenino. Ser feliz é o seu destino.

O seu carinho pelas pessoas e por seu animal de estimação é uma brisa doce no horizonte de contemplação. É bondade, boa vontade, fraternidade e alento. É a música da esperança na humanidade entoada pelo suave som dos ventos.

Poesia, Ana Luiza, é antes, durante, depois e a partir do seu poema. São as coisas que a alegria inventa. É colinho de mãe. Abraço do pai. É brincar com o irmão. É o que você faz quando escreve. São os sentimentos, as emoções. É ter paz no coração.

Agradeço pelo poema e pela dedicatória. E recordo, parafraseando do meu jeito, pra rimar com seu nome, o poeta Tiago de Melo que escreveu que é da infância que o mundo mais precisa. Seja sempre poeta, seja sempre feliz, menina Ana Luiza.



                                                                                         Rio de Janeiro, 07-7-2012
                                                                                                              Erivelto Reis

Um comentário:


  1. Poema de
    Carlos Alberto
    Aluno 1ºperiodo de geografia




    É FATO!
    NA SOMBRIA E SILENCIOSA LEMBRANÇA
    DE MINHA INFÂNCIA SOFRIDA
    LEMBRANÇAS QUE LUTO PARA NÃO TE-LAS
    AFLIGEM A ALMA E O ESPÍRITO
    TRANSPIRO TRISTEZA
    ME CURVO E CHORO
    CHORO ESSE CHORO TANTO QUE ESQUEÇO-ME POR QUER CHORO
    SÓ SEI QUE LÁGRIMAS ME VEM COMO ENXURRADA SEM CONTROLE
    QUEM ME DERA MINHA VIDA FOSSE ESCRITA EM LAPIS
    PODERIA SIMPLESMENTE APAGAR AQUILO QUE DE ALGUMA FORMA
    FOI EXAGERADAMENTE ESCRITA
    COMO SE FOSSE UM PASSE DE MÁGICA
    COMO SE FOSSE UM NOVO AMANHECER
    ESQUECER DE NÃO MAIS LEMBRAR
    AO INVÉS DE LEMBRAR DE NÃO ESQUECER
    CAMINHOS TORTOS, PASSOS LARGOS, TRISTEZA CERTA FELICIDADE INCERTA
    ISTO É UM FATO!

    ResponderExcluir