Quem sou eu

Minha foto
Poeta - escritor - cronista - produtor cultural. Professor de Português e Literaturas. Especialista em Estudos Literários pela FEUC. Especialista em Literaturas Portuguesa e Africanas pela Faculdade de Letras da UFRJ. Mestre em Literatura Portuguesa pela UFRJ. Nascido em Goiás, na cidade de Rio Verde. Casado. Pai de três filhos.

domingo, 14 de junho de 2015

Poema: Uma lição de botânica - Erivelto Reis

UMA LIÇÃO DE BOTÂNICA
Erivelto Reis


Entendo, talvez, a rosa,
Que propaga a pétala
Como o ápice de sua existência.
Entendo, talvez, que o espinho
Seja seu companheiro imposto
Ou que esta o escolha, desde que
A agudez do seu poder
Não seja usado contra ela ou contra os que a admiram,
Conforme ela determine a ele.
Entendo, talvez, que o espinho esteja
Relegado ao plano de ser espinho enquanto
Acompanhe a rosa.
E, fora disso, seja reles, vil...
Entendo, mas não aceito
Que haja no espinho, antes de protegê-la,
Pretensão de envergonhá-la!
O espinho ama a rosa:
Entende-a, respeita-a...
Mereceu estar ao seu lado.
Não é como os demais que
Querem possuí-la ou,
Num argumento infantil e tolo,
Apenas olhá-la.

Entendo, talvez, a rosa...

domingo, 7 de junho de 2015

POEMA AO PIBID/FIC - Erivelto Reis

POEMA AO PIBID/FIC
Erivelto Reis
Eu quereria, em criança,
Que os bolsistas PIBID/FIC
Tivessem ido à minha escola.
Quereria ter lido com eles
A emoção de entender as primeiras
Histórias.
Que eles tivessem feito, como fazem agora,
A minha imaginação infanto-juvenil decolar,
Através da arte e da Literatura,
E a minha emoção rolar a partir dos sentimentos
Que sempre estiveram em mim,
E que eles fizessem aflorar.
Quereria vê-los ao lado de meus
Professores e professoras,
Acreditando em mim,
Incentivando-me,
Protegendo-me das coisas feias do mundo.
Quereria isso em meu passado,
Desejo isso para o futuro dos jovens,
Dos adultos e, sobretudo, das crianças.
Educadores, de mãos dadas, comprometidos:
Mais do que alfabetizando,
Ou cobrando a leitura da lição,
Mediando a viagem através da Literatura,
Espalhando amor,
Abraçando com candura,
Vencendo as dificuldades com profissionalismo
E perseverança...
Na prática social, merecedora de reverência,
Aqui definida num conceito subjetivo,
Mas no qual eu acredito:
Letrar é semear a esperança.
Letrar é multiplicar afetos,
Letrar é ler a poesia da alma.

terça-feira, 2 de junho de 2015

Poema: Vista - Erivelto Reis

VISTA
Erivelto Reis
Para Primitivo Paes
Não perdi você de vista
E sei que nunca vou perder.
Convivo com sua memória
Com uma saudade constante.
Lembro-me de seu aniversário,
Do seu sorriso, de onde íamos,
Do que falávamos.
Eu não perdi você um só instante:
Leio sua distância,
Sinto sua presença!
Dizem, os que não conhecem,
Afirmo, porque eu sei:
É amor que dói, não é tristeza...
Tristeza lateja, cicatriza e marca,
Quando a vida lacrimeja.
Amor transporta, transfere-se,
Recria, regenera e salva.
Amor é a chave da casa,
Mesmo se esta parecer ruína.
É o rumo da estrada,
É a rima...
É a nota de uma canção que nunca termina.
Essa é a razão que eu tenho
Pra não ser pessimista!
É assim que me sinto:
Eu sei que nunca vou perder
Você de vista.