Quem sou eu

Minha foto
Poeta - escritor - cronista - produtor cultural. Professor de Português e Literaturas. Especialista em Estudos Literários pela FEUC. Especialista em Literaturas Portuguesa e Africanas pela Faculdade de Letras da UFRJ. Mestre em Literatura Portuguesa pela UFRJ. Nascido em Goiás, na cidade de Rio Verde. Casado. Pai de três filhos.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Poema: "Inventário", de Erivelto Reis

Inventário
Erivelto Reis

Plantei nossa casa
Longe do assombro
Dos abismos
Um pouco distante
De arco-íris imaginários
Para que dela brotasse um lar
Fiz promessas que só cumpri com custo
E com quase tudo sendo sua ajuda
Janela, zinabre, maresia
Sem verniz
Plantei nossa casa, mas foi você quem
Regou o jardim e aparou as arestas
Pra que todos os seus membros
Fizessem parte de uma família feliz
Nossa casa foi uma ópera
Uma silenciosa festa
Foi um palco pagão de religiosidade atroz
Plantei nossa casa para que ela germinasse em nós.
Foi apenas isso o que eu fiz
E nada mais posso dar de presente
Porque nada tenho
Exceto a sua presença
Mas o que poderia eu dar,
Que já a você não pertença?!
Plantei nossa casa
Enfeitei-a com versos e você com prece
Desde o teto ao alicerce
Quem nela reside
Será sempre uma bênção:

Uma poesia que a vida tece.

Nenhum comentário:

Postar um comentário