Quem sou eu

Minha foto
Poeta - escritor - cronista - produtor cultural. Professor de Português e Literaturas. Especialista em Estudos Literários pela FEUC. Especialista em Literaturas Portuguesa e Africanas pela Faculdade de Letras da UFRJ. Mestre em Literatura Portuguesa pela UFRJ. Nascido em Goiás, na cidade de Rio Verde. Casado. Pai de três filhos.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Poema: "Bibelô", de Erivelto Reis

Bibelô
Erivelto Reis

Tenho uma alma tão cansada
Que daqui a algum tempo
Já não me sobrará nada.
Tanto trauma, tanta fúria sufocada,
Quantidades:
Há mais santos que promessas,
Há mais desejo
Que felicidade.
Tenho a alma tão cansada,
Profundo sono,
Meia madrugada,
Me leve pra longe daqui:
Tempo de cinza e saudade...
Trago cansada a alma que nunca tive
E que me fora somente emprestada.
Inquilino de corpo,
Oco de alma.
Ocaso...
Reclamar da alma será vício de quem vive?!
Tenho uma alma tão cansada...


segunda-feira, 15 de agosto de 2016

"Gesto", poema de Erivelto Reis

Gesto
Erivelto Reis

A palavra poesia vazia mata
Como uma corda no pescoço
Como uma pedra que cai no pé
Como o lodo do fundo do poço
Como a verdade sem reconhecimento
Como um santo feio e sem fé...
A palavra poesia vazia cala
Como murro
Por causa da casa
Da(s) (a) marra(s) e das asas das palavras
Como o núcleo
Do insulto
Inesperado.
Como a cápsula de pulso do tempo
E do projétil transpassado.
Entre o silêncio constrangedor
Da ausência de palavras e de vidas,
Devida ordem se instaura:
Do poeta que (vivo) grita sem que o ouçam,
Da poesia que (em silêncio) fala quando a morte o cala.
A palavra poesia vazia,
Silencia e mata...

Não se esqueçam de trancar a porta da sala.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Poema: "Iago e Aquiles" - Poema de Erivelto Reis

Iago e Aquiles
Erivelto Reis

Ah, esses gregos!
Seus egos,
Seus segredos,
Seus prédios sem pregos
Erigidos por Sabedoria e pedra.
Eu tento entendê-los,
Mas me sinto em degredo:
Ouvi-los, até ouço,
Compreendê-los – lê-los – é um grande esforço.
Alelos, paralelos, palimpsestos...
Pretextos pra supor os restos,
Arremedo de desassossego!
Mitos, Musas, Atenas, Prometeus e Atlas e medos:
Para mim parece que estão falando grego.
A festa foi bonita, (Pá)ladinos?...

Ah, esses latinos...